Charles Pilger, Blogueiro

Interessante documentário sobre o LSD que o Amf recomendou agora a pouco pelo GTalk.

 


Parte 01.


Parte 02.


Parte 03.


Parte 04.

 

Esta é uma das entrevistas, oncologist que surgiram como conseqüência direta do meu Post sobre a Blogosfera (sic!) Brasileira e suas motivações.

Janio Sarmento é um blogueiro que conheci vários anos atrás trocando idéias em listas de discussão sobre WebDesign. Sempre foi e continua sendo legal esta troca de idéias.

Caparica:
Quando você começou a "blogar", cheap qual era a sua motivação?

Janio:
Quando eu comecei a blogar minha motivação na verdade era ver "qual era" a do blog. Foi o Gian, atual www.iplegal.com.br, quem me convenceu a instalar um MovableType e começar a blogar. Como eu estava começando com Linux, pretendia documentar meu aprendizado na programação em ambiente gráfico para este SO, de forma a poder, em um ano mais ou menos, compilar material que se tornaria um livro comercializável.

Logo enchi o saco, ali pelo segundo mês, mais ou menos ao mesmo tempo que minha tendência a querer ganhar dinheiro com e na Internet se mostrou viável (principalmente pela PortoFácil), e que resolvi experimentar o AdSense.

Caparica:
Quanto tempo você já tem como blogueiro?

Janio:
Oficialmente, eu blogo desde 2003, mas participei de uns finados blogs (de contos eróticos) entre 2001 e 2002 (enchi o saco também, pornografia é um troço que cansa muito rápido, além de que o dono do blog estava querendo cobrar da gente uma "produtividade" que o voluntariado não facultava).

E antes disso, lá nos idos de 98/99 eu mantinha um site que nem sabia que era no formato de blog: como eu era o único que sabia HTML na empresa onde eu trabalhava, que era o primeiro e único provedor da cidade, no espaço destinado a mim eu fiz um site com atualizações praticamente diárias, na unha, em HTML, e todo dia quando eu trocava a index.html eu renomeava a anterior para a data, e criava um hyperlink. Essa experiência durou uns três meses no ritmo de uma página por dia, depois meu chefe começou a encher o meu saco por causa do espaço em disco, e que eu ocupava o link que os clientes poderiam estar usando para downloads, e outras mesquinharias; o resultado foi que fui espaçando as atualizações do site, e uns seis meses depois pedi demissão.

Falei? 🙂

Caparica:
Como você encara a questão do uso desenfreado de técnicas de SEO para atrair visitantes e se isto pode ter algum impacto negativo na credibilidade de um Blog ou de um Blogueiro?

Janio:
Em primeiro lugar, IMHO, é necessário definir o que é essa tal "credibilidade dos blogs". Afinal, nada impede que qualquer um crie incontáveis contas (gostou?) nos Blogspots da vida, sob pseudônimos ou heterônimos (nada impediria que eu criasse um blog e assinasse os artigos como Fábio Caparica de Luna).

Em segundo lugar, é necessário saber qual é o propósito do dono do blog. Se ele tem um propósito, ele tem atitudes a tomar e coisas a fazer para chegar ao seu objetivo. No meu caso específico, se eu não tivesse os rendimentos oriundos da atividade de escrever, eu não estaria mais escrevendo, não gastaria dinheiro com hospedagem, não gastaria mão de obra otimizando templates, plugins, etc. Para mim, escrever nos meus blogs é um trabalho.

E para este trabalho render os frutos almejados, é necessário ter visitantes.

Aí chegamos no outro ponto: o que é SEO descarado?

Por exemplo, sei que um dos termos que mais rende visitantes é "rebelde", ou "RBD". Nada me impediria de escrever um artiguinho que fosse sobre o assunto, mascarando o SEO numa opinião que não tem nada de novo ou de útil. Isso seria SEO, mas não seria descarado. Porém, seria desrespeitoso com quem assina seu feed, e leria um artigo coerente, "interessante", mas que não tem nada a ver com o foco do blog (embora meu blog seja generalista, sinto-me à vontade para escrever sobre qualquer coisa).

Um blog pode ser um modelo de negócios (como Picasso, que pintava e morreu com o rabo cheio de dinheiro) ou uma mera forma de expressão (como Van Gogh que também pintava, também era genial mas morreu miserável). Pode ser também que o blog seja um meio de divulgar informações oficiais corporativas, como o blog do AdSense Brasil que até agora não disse uma vírgula a respeito da crise que existe por conta do bloqueio dos cheques para pagamento dos webmasters brasileiros.

Acho, para não me alongar demais, que preocupar-se se o que o blogueiro escreve é bom ou não para a credibilidade dele é sinônimo de subestimar a inteligência do leitor. Ele é quem tem que decidir se um "post" esporádico falando sobre a morte do Saddam Hussein compromete a qualidade do que ele lê. Se em 407 posts 2 ou 3 comprometem o blog para um leitor, ele tem que exercer dois direitos (se quiser): me dizer o que eu fiz que o desgostou, e escolher outro feed para substituir o meu.

Sei lá, brother, se era algo desse tipo que tu queria "ouvir". Mas de fato acho que a Internet é uma mídia como outra qualquer, só que muito mais jovem, e ainda sendo desbravada. É natural que muita gente desaprove o que outros fazem, principalmente por idealizarem a Internet como um meio quase santificado, em que o capitalismo nao pode pôr as patas sujas.

Em outras palavras, é o mesmo ranço dos fanáticos por Linux que dizem que a MS é coisa do diabo. 🙂

Caparica:
Você consegue estabelecer perspectivas para o seu blog nos próximos anos?

Janio:
Até o fim do ano pretendo estar vivendo exclusivamente dos blogs (tenho três carros-chefes, como você sabe), e para o próximo ano pretendo aumentar a quantidade e a qualidade dos textos, fazendo resenhas de produtos e serviços. No começo pretendo fazer isso reinvestindo dinheiro do próprio bolso para adquirir o que for para analisar, mas para 2009 pretendo estar sendo influente o suficiente para ser convidado a fazer estas análises.

Caparica:
Que parte da "Atividade de Blogar" te proporciona mais prazer?

Janio:
Essa é fácil.

O que me dá mais prazer é interagir com outras pessoas, provocá-las, contestá-las, apoiá-las, ver idéias tomando proporções não imaginadas (como o meme que soltei no início do ano, acerca das cinco besteiras que irritam, e até agora continuam rodando, tendo inclusive eu próprio sido convidado a dar minha opinião).

E resposta bônus, já que não houve a pergunta sobre a segunda melhor coisa: ser bem pago para fazer isso também é um orgasmo!

Esta é uma das entrevistas, information pills que surgiram como conseqüência direta do meu Post sobre a Blogosfera (sic!) Brasileira e suas motivações.

Janio Sarmento é um blogueiro que conheci vários anos atrás trocando idéias em listas de discussão sobre WebDesign. Sempre foi e continua sendo legal esta troca de idéias.

Caparica:
Quando você começou a "blogar", treatment qual era a sua motivação?

Janio:
Quando eu comecei a blogar minha motivação na verdade era ver "qual era" a do blog. Foi o Gian, atual www.iplegal.com.br, quem me convenceu a instalar um MovableType e começar a blogar. Como eu estava começando com Linux, pretendia documentar meu aprendizado na programação em ambiente gráfico para este SO, de forma a poder, em um ano mais ou menos, compilar material que se tornaria um livro comercializável.

Logo enchi o saco, ali pelo segundo mês, mais ou menos ao mesmo tempo que minha tendência a querer ganhar dinheiro com e na Internet se mostrou viável (principalmente pela PortoFácil), e que resolvi experimentar o AdSense.

Caparica:
Quanto tempo você já tem como blogueiro?

Janio:
Oficialmente, eu blogo desde 2003, mas participei de uns finados blogs (de contos eróticos) entre 2001 e 2002 (enchi o saco também, pornografia é um troço que cansa muito rápido, além de que o dono do blog estava querendo cobrar da gente uma "produtividade" que o voluntariado não facultava).

E antes disso, lá nos idos de 98/99 eu mantinha um site que nem sabia que era no formato de blog: como eu era o único que sabia HTML na empresa onde eu trabalhava, que era o primeiro e único provedor da cidade, no espaço destinado a mim eu fiz um site com atualizações praticamente diárias, na unha, em HTML, e todo dia quando eu trocava a index.html eu renomeava a anterior para a data, e criava um hyperlink. Essa experiência durou uns três meses no ritmo de uma página por dia, depois meu chefe começou a encher o meu saco por causa do espaço em disco, e que eu ocupava o link que os clientes poderiam estar usando para downloads, e outras mesquinharias; o resultado foi que fui espaçando as atualizações do site, e uns seis meses depois pedi demissão.

Falei? 🙂

Caparica:
Como você encara a questão do uso desenfreado de técnicas de SEO para atrair visitantes e se isto pode ter algum impacto negativo na credibilidade de um Blog ou de um Blogueiro?

Janio:
Em primeiro lugar, IMHO, é necessário definir o que é essa tal "credibilidade dos blogs". Afinal, nada impede que qualquer um crie incontáveis contas (gostou?) nos Blogspots da vida, sob pseudônimos ou heterônimos (nada impediria que eu criasse um blog e assinasse os artigos como Fábio Caparica de Luna).

Em segundo lugar, é necessário saber qual é o propósito do dono do blog. Se ele tem um propósito, ele tem atitudes a tomar e coisas a fazer para chegar ao seu objetivo. No meu caso específico, se eu não tivesse os rendimentos oriundos da atividade de escrever, eu não estaria mais escrevendo, não gastaria dinheiro com hospedagem, não gastaria mão de obra otimizando templates, plugins, etc. Para mim, escrever nos meus blogs é um trabalho.

E para este trabalho render os frutos almejados, é necessário ter visitantes.

Aí chegamos no outro ponto: o que é SEO descarado?

Por exemplo, sei que um dos termos que mais rende visitantes é "rebelde", ou "RBD". Nada me impediria de escrever um artiguinho que fosse sobre o assunto, mascarando o SEO numa opinião que não tem nada de novo ou de útil. Isso seria SEO, mas não seria descarado. Porém, seria desrespeitoso com quem assina seu feed, e leria um artigo coerente, "interessante", mas que não tem nada a ver com o foco do blog (embora meu blog seja generalista, sinto-me à vontade para escrever sobre qualquer coisa).

Um blog pode ser um modelo de negócios (como Picasso, que pintava e morreu com o rabo cheio de dinheiro) ou uma mera forma de expressão (como Van Gogh que também pintava, também era genial mas morreu miserável). Pode ser também que o blog seja um meio de divulgar informações oficiais corporativas, como o blog do AdSense Brasil que até agora não disse uma vírgula a respeito da crise que existe por conta do bloqueio dos cheques para pagamento dos webmasters brasileiros.

Acho, para não me alongar demais, que preocupar-se se o que o blogueiro escreve é bom ou não para a credibilidade dele é sinônimo de subestimar a inteligência do leitor. Ele é quem tem que decidir se um "post" esporádico falando sobre a morte do Saddam Hussein compromete a qualidade do que ele lê. Se em 407 posts 2 ou 3 comprometem o blog para um leitor, ele tem que exercer dois direitos (se quiser): me dizer o que eu fiz que o desgostou, e escolher outro feed para substituir o meu.

Sei lá, brother, se era algo desse tipo que tu queria "ouvir". Mas de fato acho que a Internet é uma mídia como outra qualquer, só que muito mais jovem, e ainda sendo desbravada. É natural que muita gente desaprove o que outros fazem, principalmente por idealizarem a Internet como um meio quase santificado, em que o capitalismo nao pode pôr as patas sujas.

Em outras palavras, é o mesmo ranço dos fanáticos por Linux que dizem que a MS é coisa do diabo. 🙂

Caparica:
Você consegue estabelecer perspectivas para o seu blog nos próximos anos?

Janio:
Até o fim do ano pretendo estar vivendo exclusivamente dos blogs (tenho três carros-chefes, como você sabe), e para o próximo ano pretendo aumentar a quantidade e a qualidade dos textos, fazendo resenhas de produtos e serviços. No começo pretendo fazer isso reinvestindo dinheiro do próprio bolso para adquirir o que for para analisar, mas para 2009 pretendo estar sendo influente o suficiente para ser convidado a fazer estas análises.

Caparica:
Que parte da "Atividade de Blogar" te proporciona mais prazer?

Janio:
Essa é fácil.

O que me dá mais prazer é interagir com outras pessoas, provocá-las, contestá-las, apoiá-las, ver idéias tomando proporções não imaginadas (como o meme que soltei no início do ano, acerca das cinco besteiras que irritam, e até agora continuam rodando, tendo inclusive eu próprio sido convidado a dar minha opinião).

E resposta bônus, já que não houve a pergunta sobre a segunda melhor coisa: ser bem pago para fazer isso também é um orgasmo!

Esta é uma das entrevistas, recuperation que surgiram como conseqüência direta do meu Post sobre a Blogosfera (sic!) Brasileira e suas motivações.

Charles Pilger é um antigo companheiro de madrugadas e conversas sobre os assuntos mais variados. Também um blogueiro antigo, page seria injustiça comigo mesmo não ver as motivações dele para manter um blog.

Caparica:
Quando vc começou a “blogar”, qual era a tua motivação?

Charles:
Atualizar minha página pessoal. Já tinha um site, com uma que outra página interna, e achava chata a manutenção da mesma. Daí fiquei conhecendo o formato blog e achei legal. Aderi.

Caparica:
Há quanto tempo o seu blog está no ar?

Charles:
O blog está no ar desde o dia 2 de janeiro de 2001, sendo que o site “Charles? Que Charles?” entrou no ar lá pela metade de 1996.

Caparica:
Fora o “Charles? Que Charles?“, você já teve ou participou de algum outro blog?

Charles:
Tive um de tecnologia no Desembucha.net, o “Ex machina”, além de ter participado de uma versão masculina do “Delícias Cremosas” cujo nome não lembro. Participei uma época do Teras também.

Outro blog que eu participei foi o Don’t Believe The Hype, onde eu assinava como Mahna Mahna. Infelizmente esse site acabou saindo do ar por problemas técnicos.

Caparica:
Em algum momento, você já encarou o seu Blog como um empreendimento?

Charles:
Olha, é óbvio que eu já pensei em ganhar uns troquinhos botando uns AdTexts no meu blog, mas acabei não indo atrás até por uma questão de preguiça. De qualquer maneira eu nunca pensei em criar um blog para ganhar dinheiro.

Mas o caso é que pensar num blog para ganhar grana… Ora, se eu quero ganhar grana vou desenvolver algo ligado a sexo, que isso sim dá dinheiro na rede 😀

Caparica:
Como vc encara a questão do uso desenfreado de técnicas de SEO e o impacto negativo que isto pode ter na credibilidade de um Blog?

Charles:
Bah Caparica, é dificil dizer… Não sei se o uso de técnicas de SEO afetam a credibilidade de um blog, até porque dois blogueiros podem usar as mesmas técnicas só que um é um cara sério e outro não. Conheço gente boa que usa técnicas de SEO e cujo conteúdo eu posso confiar (o Jânio Sarmento é um desses caras), assim como conheço picaretas que usam SEO… Bem, sei lá. Não sei muito dessa área, e nem me interesso muito.

O caso que a credibilidade está no conteúdo do post. Sabe quando você vê um post dizendo “esse livro é muito bom, maravilhoso, deve ser lido” e não se aprofunda, faz uma resenha que não acrescenta nada, mas tá lá o link pro afiliados do Submarino? Pois é esse o maior problema na minha opinião.

Caparica:
Então basicamente o “X da questão” seria uma diferença de discursos e a postura… É isto?

Charles:
Sim. É ver que tem gente que toma cuidado com o que coloca e ver que tem gente que está tão preocupada em catar acessos que coloca qualquer coisa. Se os Mamonas tivesse morrido ontem e não a 10 anos atrás podemos ter certeza que hoje ia ter uma porção de blogs por aí com as fotos dos integrantes depedaçados só para atrair acessos. Tá meio que faltando discernimento das pessoas na hora de colocar conteúdo na rede.

Caparica:
Você consegue estabelecer perspectivas para o seu blog nos próximos anos?

Charles:
Não e nem quero 🙂 Meu blog antes de mais nada é um hobby, e até me surpreendo que ele seja tão levado a sério. Alguma coisa errado devo estar fazendo 😀

Caparica:
Que parte da “Atividade de Blogar” te proporciona mais prazer?

Charles:
É quando vejo que o texto que eu escrevi não ficou de todo ruim.

One Reply to “Charles Pilger, Blogueiro”

Comments are closed.