O que motiva alguém a ter um Blog?

Nos ultimos anos a turma da Blogosfera Brasileira (sic!) parece que anda entrando numas Ego trips muito mal ensaiadas.

Numa hora é explicitada uma necessidade (ou seria insistência?) de se ver remunerado por manter um blog. Alegam muitas vezes que "nem relógio trabalha de graça", mas me pergunto se alguém teria se questionado – entre um "alt+tab" e outro – se antes de qualquer coisa, algo havia sido solicitado ou contratado por alguém… Alguma coisa que realmente pudesse justificar a tal "necessidade" (ou mesmo uma expectativa) de fazer dinheiro a qualquer custo com algo que, a princípio, deveria estar sendo feito por puro prazer, como um Hobby. Infelizmente, muitas vezes, isto tudo só cheira a mais pura mendicância mesmo.

A coisa deve estar preta mesmo, pois se vê de tudo… Vai desde um velho Review sendo requentado e publicado apenas pra justificar um link (ou uma série deles) para um programa de afiliados como o do Submarino.com até aquele fuzuê-alarde descaradamente marketeiro pra falar dos preços baixos (?!) do serviço de hospedagem de sites que recompensa quem se presta a espalhar ainda mais o tal fuzuê-alarde.

Tem também daquela promoçãozinha batuta que o mais novo Gerson alí da esquina inventou e há quem jure de pé junto, perante a luz divina, que isso é "só um novo modelo de negócios". Também tem a turma de marketing e publicidade querendo "fazer a cabeça" dos desavisados, e o balaio de gatos só fica mais caótico. É triste perceber o quanto as técnicas de SEO começam a ficar mais visíveis aos olhos que o conteúdo propriamente dito. Ou o que é pior, quando não há conteúdo pra ser visto e/ou tentam se fazer de ingênuos. Convenhamos, SEO está funcionando apenas como uma muleta pra alavancar o ibope de quem não tem competência ou conteúdo bom o suficiente pra se estabelecer sem precisar Hackear mecanismos de busca.

Pra mim, uma das coisas que mais pega mal com relação ao SEO é que o que se faz com PageRank, que deveria ser algo que facilitaria a vida dos usuários dando relevância ao que de fato fosse relevante. Ele foi ou está sendo impiedosamente subvertido. Roubando o insight de um amigo: O mau uso que se faz do SEO, termina por "desotimizar" as ferramentas de busca. Sad, but true.

Tudo me parecia mais autêntico logo no início dos blogs, quando eram feitos por prazer, como um Hobby, como algo que você queria compartilhar com os amigos, ou simplesmente pra manter um simples registro pessoal do cotidiano… Como um velho e bom Diário, como um Log do servidor, etc.

Agora é tudo muito diferente: É empreendimento, é obter lucro, é ver retorno do investimento… Que coisa mais sem graça! Fazendo por prazer, naturalmente se faz bem feito… E o tal "lucro financeiro" é pura conseqüência do que se lucra de verdade.

Pra mim, calcular o ROI daquilo que é feito por prazer, é quantificar subjetividade sem necessidade. Entristecedor é que há no meio uma parcela de blogueiros bradindo que "lucro é OBJETIVO" e acusando de demagógicos quem não vê as coisas com este mesmo olhar capitalista. Quem escreve por gostar de escrever, quem faz pelo prazer de estar fazendo, e não espera fazer rios de dinheiro com isto anda sendo pintado como "mané", ou como quem tem uma "visão romântica, não empresarial" da coisa como um todo. Segundo o amigo espirituoso do insight roubado parágrafos atrás, é a "manelização", por assim dizer, do cara que posta algo sem objetivar lucro. Felizmente, boa parte do pessoal que manda muito bem no serviço, não demonstra ter a menor vontade de encarar seu blog como um empreendimento que vá render dinheiro de uma forma direta.

Mas a grande verdade é:
Não existe isto de Blogueiro Profissional vs. Blogueiro Amador. Não existe esta falsa dicotomia que coloca de um lado aqueles que querem ‘viver exclusivamente do hobby’ e d’outro lado os que fazem aquilo que gostam sem se preocupar em obter lucro monetário igual ou superior ao lucro emocional. Estão todos no mesmo barco, são todos farinha do mesmo saco e o valor do conteúdo e dos links de um, estarão equiparados aos valores de todos os demais. É um ‘World of Ends’ afinal de contas…

As únicas diferenças que – as vezes – podemos perceber estão na coerência do discurso, na sinceridade e na paixão com que as coisas são ditas. É isso o que garante a credibilidade de um Blogueiro… Seja ele um Profissional dos Blogs ou um que não passa de um apaixonado Amador, a credibilidade é algo que rima muito bem com a ultima frase das – já repetidas além da exaustão – propagandas do MasterCard: Não tem Preço.

Uns poucos racionalizam com bastante coerência esta situação toda, e conseguem até captar o espírito da ‘maioria que pensa’ no que diz respeito a enfiar um anúncio AdSense em seu Diário Pessoal na Web: "…não custa nada. O que vier é lucro". De fato, "não há nada de errado em lucrar com seu trabalho". Mas chateia demais perceber que a busca desenfreada pelo lucro e/ou a falta de cerimônia em extrair o último visitante dos mecanismos de busca com puro SEO descarado, está tornando os Blogs pobres em credibilidade e em conteúdo.

Afinal, o tal blogueiro monolítico quer trocar uma idéia comigo, ou só somar algo nos seus preciosos pageviews e ganhar alguma grana com meus desejáveis eventuais clicks?

Quando eu (ou você, quem sabe…) passo a ver com ressalvas um Blog, ou a suspeitar sobre o objetivo/motivo real que está por trás de um blog, ou de um post, não tarda a hora em que eu vou deixar de assinar o feed dele, deixar de fazer comentários, deixar de linka-lo, deixar de indica-lo para amigos por mail ou por IM.

O resultado disto é óbvio…
Perda de Credibilidade, de Tesão, de IBOPE, de PageRank e, claro, de ROI (risos!).

Pensando nisto tudo, e tentando entender melhor as motivações das pessoas que dedicam tempo e dinheiro aos seus blogs, tomei a iniciativa de fazer uma pesquisa rápida com alguns dos blogueiros com quem tenho contato. O resultado foi uma série de 11 entrevistas curtas que estou publicando aqui dentro de instantes:

  1. Fabrício Zuardi, Blogueiro.
  2. Cris Dias, Blogueiro.
  3. O Velho, Blogueiro.
  4. Charles Pilger, Blogueiro.
  5. Janio Sarmento, Blogueiro.
  6. Anderson Kenji, Blogueiro.
  7. Expedito Paz, Blogueiro.
  8. Nemo Nox, Blogueiro.
  9. Ronaldo Melo Ferraz, Blogueiro.
  10. Fábio Seixas, Blogueiro.
  11. Edney Souza, Blogueiro.

Achei interessante perceber que muitos dos motivos que me levaram a colocar o meu próprio blog no ar são bem semelhantes aos motivos deles. Trocar umas idéias com o pessoal, manter um registro perene e acessível pra usar como memória auxiliar, algo que pudesse servir como referência que pudesse ser facilmente compartilhada, etc.

Enfim,
As idéias estão expostas e os formulários de comentários estão excepcionalmente abertos.

24 Replies to “O que motiva alguém a ter um Blog?”

  1. Diário pessoal? Não, obrigado. Não escrevo diário pessoal, escrevo textos com opinião, que não tentam vender nada. Meus leitores só aumentam e muito poucos reclamam do anúncios. Ganho dinheiro dos anúncios sim, e pretendo ganhar cada vez mais.

    Tenho vários sites que já se tornaram minha principal fonte de renda e meu blog, logo logo, estará talvez no topo da lista em entrada de capital. Acho toda essa discussão inócua, não tento convencer ninguém a ganhar dinheiro com isso e não sei porque incomoda tanto quem não quer ganhar.

    Blogar para mim é diversão, e viver do que se gosta é, para mim, a receita perfeita para aliar trabalho e prazer. Não me imagino trancado em um escritório fazendo o que não gosto e depois escrevendo sobre meu cachorro no “diário pessoal”.

    Tem gente sem conteúdo no meio? Sim, tanto nos pros quanto nos amadores, por assim dizer. Mas a seleção natural se encarrega de quem fica e quem vai, não é necessário um post messiânico pelo bem da pureza dos blogs. Para falar a verdade, essa discussão já se esgotou, apenas no Brasil se questiona ganhar dinheiro com prazer. Só é aceitável se você tiver um patrão para reclamar.

  2. Curioso…
    Eu não tinha encarado nada disto como uma ‘defesa da pureza’. Não me parecia ser o caso, mas provavelmente até seja.

    Pode não ter ficado claro, então não custa reforçar:
    Não tenho nada contra quem tem retorno financeiro como resultado do seu trabalho. Se fosse diferente, não teria entrevistado nenhum ‘Pro’.

    Entenda:
    É nada contra quem ganha seu dinheiro de forma honesta, não apelando pra nada questionável ou mesmo desdenhando (‘manelizando‘) de quem faz por onde o lucro emocional tenha mais importância que qualquer balela de monetização.

    Mas não tenho absolutamente nada a favor de quem trabalha focando em Hype e SEO, visando atrair paraquedistas, ou os preciosos clicks pra monetizar…

    Qualquer sombra de suspeição, coloca a credibilidade em risco. Autenticidade de discurso e de postura é uma coisa fácil de se identificar. Seleção natural, de fato, deixa tudo definitivamente claro… Dá pra perceber quem está se afundando em sua própria postura de “Capitalista”. E também dá pra perceber quem segue em frente enquanto rolam os naufrágios. Meritocracia? Talvez…

    Enfim…
    Quem sabe esta discussão realmente seja inócua. Mas só pelas reações que tenho visto pela rede (seu comentário aqui incluso meu caro Noronha), desconfio que não seja assim algo tão vazio.

    IMHO, esta discussão nem sequer começou, e duvido muito que ela termine tão cedo.

  3. Pingback: InterNey.Net
  4. Muito boa sua iniciativa e seu texto. Concordo com grande parte do que você disse – principalmente no que diz respeito à SEO e ROI.
    Grande abraço.

  5. O que esta claro é que não há problemas em ganhar dinheiro com blog. O problema ocorre quando o conteúdo destes se torna apelativo, com o intuito de atrair os paraquedistas, para aumentar os ganhas e deixando de lado a qualidade do conteúdo.

  6. Falai’ Caparica, teve o dom! Valeu pela referencia!!
    Se pam esse seu catado trocando ideia com uma pa’ de blogueiro sangue bom ja’ entrou pra historia. Demorou 🙂
    Liga q tb ta’ valendo agora mandar um salve pras minas blogueiras chegar chegando na rima. Cabelo avoa!
    A revolucao nao sera’ televisionada. Sem miseria!

  7. Interessante é que alguns blogueiros parecem achar que 1) inventaram o jornalismo, ou seja, a publicação de notícias e opiniões (isso existe desde sempre); 2) Inventaram ganhar dinheiro com publicação (isso existe desde os livros escritos à mão); e 3) Inventaram a Web (como o próprio Charles apontou em lista de discussão, as primeiras páginas do Tim Berners-Lee já tinham pequenos textos com data estampada.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *